Jejum da Lingua

JEJUM DA LÍNGUA!

Todos as anos, nesta época, ouvimos sempre a mesma coisa: "quaresma: tempo de conversão".

Mas será que já nos demos conta do que isto significa? Ouvimos falar todos os anos. Ouvimos bater na mesma tecla. Mas será que já produziu algum fruto em nós?

Afinal de contas... o que é mesmo "conversão"? Será que sabemos o seu verdadeiro significado? Muitas vezes pensamos que conversão se trata de mudança de religião. Será que é mesmo? Será que mudança de religião significa mesmo conversão?

Vamos falar um pouco sobre isto.

No trânsito, quando fazemos uma conversão, mudamos o rumo, a direção que estamos seguindo. E acho que, no momento, este é o melhor exemplo para nossa reflexão. Também é assim na nossa vida. Conversão se trata de "mudança de rumo".

Como mudamos de rumo? Mudando nossa mentalidade, nosso proceder, nosso modo de agir, de pensar. Mudamos a direção a qual estamos tomando. E é justamente isto que este tempo de quaresma nos propõe. Pararmos para pensar em como vai nossa vida. Em que direção a estamos levando.

Justamente por isto é que nos são propostos jejuns, penitências, sacrifícios. Quando conseguimos nos abster de algo de que gostamos muito em prol de fazermos nosso jejum ou penitência, provamos para nós mesmos que também somos capazes de nos abster de uma série de outras coisas na nossa vida.

Com jejuns e penitências, conseguimos controlar nossos ímpetos, nosso temperamento e até outras coisas mais sérias como também nossos vícios. Iniciando com um "simples" jejum alimentar, abstinência de algo que nos envolve muito como, por exemplo, um programa de TV, penitência de deixar de comer ou beber algo que gostamos muito, etc., poderemos chegar a um patamar bastante elevado de mudança de vida.

Podemos fazer várias espécies de jejuns, e, um muito valioso, é o "jejum da língua". Ah! Este sim! É preciosíssimo! Tão preciosíssimo quanto difícil! Se soubermos "domar" nossa língua na quaresma, com facilidade a domaremos nos dias vindouros.

Como é fácil falar mal das pessoas, julgá-las, fazer fofocas... Mas como é difícil não falar mal de ninguém, não ofender ninguém, não julgar ninguém, ver somente o lado bom de cada um!

"Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente" (1 Pd 3,10).

O "jejum da língua" mos leva a evitar [1] a fofoca; [2] a calunia; [3] a difamação e a [4] mentira.
Devemos fazer uma profunda reflexão sobre como temos usado a língua, a usamos para bem ou para o mal? A santidade deve envolver todo o ser, inclusive o falar.

1 - Fofoca / Mexerico (intriga, bisbilhotice).
Quão lamentável, mas este mal está dentro das igrejas, numa freqüência muito maior do que imaginamos. É o "disse que me disse", que tem levados muitos a servirem aos propósitos maléficos.

Veja o que a Sagrada Escritura diz a respeito: Lv 19,16: "Não andarás como mexeriqueiro entre o teu povo teu próximo. Eu sou o SENHO."; Pv 11,13: "O mexeriqueiro descobre o segredo, mas o fiel de espírito o encobre"; 1Tm 6,20: "E tu... evitando os falatórios inúteis..."; Tg 1,26: "Alguém está pensando que é religioso? Se não souber controlar a língua, a sua religião não vale nada, e ele está enganando a si mesmo."

2 - Calúnia (Falsa imputação (a alguém) de um fato definido como crime. Mentira, falsidade, invenção.)
Meu Senhor! Infelizmente esta prática é relativamente comum até mesmo dentro da própria igreja, frutificando a desarmonia e uma série de conseqüências desastrosas. A origem da calúnia é a inveja!
O que diz a Bíblia a respeito?
2Tm 3,1-3: "Sabe, porém, isto: nos últimos dias, sobrevirão tempos difíceis, pois os homens serão egoístas... desafeiçoados... caluniadores...";
Tt 3,2: "Aconselhe que não falem mal de ninguém, mas que sejam calmos e pacíficos e tratem todos com educação"; Sl 50,20: "Estão sempre acusando os seus irmãos e espalhando calúnias a respeito deles."

3 - Difamar (Tirar a boa fama ou o crédito a; desacreditar publicamente; infamar, detrair; Imputar a (alguém) um fato concreto e circunstanciado, ofensivo de sua reputação, conquanto não definido como crime. Falar mal; detrair)
Tem também sua origem na infernal inveja. A satisfação de muitos é observar a vida alheia e destacar os erros é prazeroso para estes falar da vida do próximo.

Leia o que a Bíblia diz a respeito: Tg 4,11: "Meus irmãos, não falem mal uns dos outros"; 1Pd 2,1: "Portanto, abandonem tudo o que é mau, toda mentira, fingimento, inveja e críticas injustas"; Sl 101,5: "Destruirei aqueles que falam mal dos outros pelas costas..."; Pv 16,28: "O homem... difamador separa os maiores amigos."

4 - Mentira (Afirmar coisa que sabe ser contrária à verdade)
A sociedade atual tem a mentira como uma necessidade no dia-a-dia, nós como cristãos-católicos jamais devemos compactuar com esta visão distorcida. Nossa palavra deve ser sempre verdadeira, esta condição se aplica em todos os aspectos da vida; seja profissional, pessoal e ou religioso.

As advertências deixadas por Deus na Bíblia quanto a este pecado são claríssimas, portanto, injustificável o seu uso, veja: Sl 34,13: "Então procurem não dizer coisas más e não contem mentiras"; João 8,44: "Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira"; Ef 4,25: "Por isso, deixando a mentira, fale cada um a verdade com o seu próximo, porque somos membros uns dos outros."

Neste ano, vamos procurar viver a quaresma com intensidade para que possamos viver uma Santa e Feliz Páscoa!

http://www.padrechrystianshankar.com.br/novo/reflexoes/belos-textos/195-jejum-da-lingua

Leia-o tambem nas reflexões cristãs do site: www.larcatolico.com

 

Contacto

Larcatolico (86) 99964-9541 aquinocatequista@hotmail.com