Tratado sobre o homossexualismo

Tratado sobre o homossexualismo

por Everth Queiroz Oliveira

Luiz Mott, decano do movimento homossexual brasileiro, entrou em nosso blog e fez um comentário tanto quanto tendencioso no post “Culto ao homossexualismo”, onde eu criticava as palavras de Juliana Paes quando ela falava que não há problema nenhum em se prestar um culto ao homossexualismo, o que é absurdo. Mais absurdo ainda é observar uma pessoa tentando usar a Bíblia para defender a imoralidade. Isso sim é triste, deplorável e lamentável.

Apesar de absurdo, não é de se admirar que, em nosso mundo, existam pessoas empenhadas em defender suas ideais depravadas usando até mesmo da Palavra de Deus, uma vez que o próprio São Paulo profetizou que não faltariam desses homens corruptores de doutrina nos últimos tempos: “Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas” (2 Tm 4,3-4). E São Pedro alertava: “N[as cartas de São Paulo] há algumas passagens difíceis de entender, cujo sentido os espíritos ignorantes ou pouco fortalecidos deturpam, para a sua própria ruína, como o fazem também com as demais Escrituras” (2 Pd 3,16).

Invoco, antes de buscar refutar as ideias propostas por Mott, a sabedoria do Altíssimo e a humildade da Santíssima Virgem Maria para que possam me acompanhar nessa “cruzada” de fé. Invoco também a intercessão de São Jerônimo, profundo conhecedor das Sagradas Escrituras, que não hesitou em pregar a Palavra contra os difamadores do Reino: “Invoco o Espírito Santo para que Ele possa se expressar através da minha boca” (São Jerônimo, Tratado, 2) e que eu possa defender a verdade do Reino contra a promiscuidade do homossexualismo.

* * *

O título do seu texto é “O que todo cristão deve saber sobre homossexualidade”. Pois então, o que todo cristão deve saber acerca desse tema está nas Sagradas Escrituras, não existe necessidade de mais nenhum comentário. E a Bíblia é clara quando fala sobre o homossexualismo, seja no Antigo Testamento, seja na Nova Aliança. No AT, por exemplo, a Lei de Moisés diz: “Não te deitarás com um homem, como se fosse mulher: isso é uma abominação” (Lv 18,22); e ainda: “Se um homem dormir com outro homem, como se fosse mulher, ambos cometerão uma coisa abominável. Serão punidos de morte e levarão a sua culpa” (Lv 20,13). A destruição de Sodoma – é o que apontam as passagens bíblicas e a doutrina da Igreja – se deveu às atitudes pecaminosas do povo dali. No Novo Testamento, São Paulo é mais claro ainda:

“Por isso, Deus os entregou a paixões vergonhosas: as suas mulheres mudaram as relações naturais em relações contra a natureza. Do mesmo modo também os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza, e recebendo em seus corpos a paga devida ao seu desvario. Como não se preocupasse em adquirir o conhecimento de Deus, Deus entregou-os aos sentimentos depravados, e daí o seu procedimento indigno” (Rm 1,26-28).

Desses trechos não seria necessário mais nenhuma prova de que Deus condena severamente o homossexualismo. Mas Luiz Mott insiste. Destacaremos aqui – como ele fez – ponto a ponto suas ideais.

I. Não há o termo “homossexual” na Bíblia

Sem dúvida, não há mesmo. Essa palavra é contemporânea. O que não quer dizer, contudo, que Deus não condenaria essas práticas. Elas não tinham nome, mas os escritores sagrados a designavam de outras maneiras, como podemos ver, por exemplo, na carta de São Paulo aos Romanos (cf. 1,26-28), no trecho que acabamos de citar. São poucas – eu diria: raríssimas – as traduções bíblicas que trazem a palavra “homossexual”, justamente pelo fato de ela, no contexto daquele tempo, não existir. Contudo, numa linguagem mais atual, muitas passagens sagradas guiam a esse termo. Não vamos entrar muito nessa questão.

II. Antiguidade e homossexualidade

Diz Luiz Mott que “a prática do amor entre pessoas do mesmo gênero, porém, é muito mais antiga que a própria Bíblia”.  Não é de se duvidar que a prática homossexual seja antiga. Afinal, os homens, em todo o tempo, foram pecadores. A questão do pecado original, por exemplo, com ou sem a existência da Bíblia, seria uma realidade. “Todos pecaram – diz São Paulo – e estão privados da glória de Deus” (Rm 3,23). Contudo, – volto a afirmar, isso não quer de nenhum modo dizer que Deus permitia o homossexualismo. Seria anacrônico afirmar isso. As filhas de Lot, por exemplo, tiveram relações com seu pai e nem por isso essa atitude estava certa. Contudo, uma vez que a Lei de Deus ainda não havia sido prescrita aos homens, eles não conheciam a Sua Verdade e, desse modo, pecavam sem conhecimento.

Com a Lei de Moisés prescrita, contudo, não há mais desculpas. O homem peca se quiser. Pelo conhecimento da verdade, se sente livre a fazer o certo ou o errado com base numa moral. E foi isso que Deus fez: estabelecê-la entre os homens para que ele fielmente a pudessem seguir.

III. Condenação da idolatria

“Segundo os mais respeitados exegetas contemporâneos, (estudiosos das escrituras sagradas), fazia parte da tradição de inúmeras religiões de localidades circunvizinhas a Israel, a prática de rituais religiosos homoeróticos, de modo que esta condenação do Levítico (cf. 18,22; 20,12) visava fundamentalmente afastar a ameaça daqueles rituais idolátricos e não a homossexualidade em si”.

Esses “respeitados” exegetas contemporâneos se esquecem de que “nenhuma profecia da Escritura é de interpretação pessoal” (2 Pd 1,20). Para incitar ao homossexualismo, deturpam de modo descarado as Sagradas Escrituras, como se elas fossem propriedade de criaturas imperfeitas que agem sem a garantia do Espírito Santo.

Analisemos primeiro, o que dizem as condenações do Levítico ao homossexualismo:

18,22: “Não te deitarás com um homem, como se fosse mulher: isso é uma abominação”. O que é uma abominação? Deitar-se com um homem, como se fosse mulher. Deus não está proibindo o homem de deitar com outro homem. Está proibindo que eles se deitem para fazer atos sexuais. Ora, Ele diz “como se fosse mulher”. Conclui-se, portanto, que se um homem se deita com outro como se fosse homem então não há problema algum, pois ambos apenas deitarão e não realizarão nenhuma atitude, além disso. Identificamos, com esse versículo, não só o fato do ato homossexual ser uma abominação; observamos que Deus vê com naturalidade as relações heterossexuais e não as contrárias a isso. Quando diz “como se fosse mulher”, destaca que relação natural do homem é com a mulher e não com outro homem. Ter relações sexuais com outro homem é abominável.

O versículo 12 do capítulo 20 do Levítico confirma a mesma coisa: o ato homossexual é abominável. Mas Luiz Mott diz que a condenação do Levítico “visava fundamentalmente afastar a ameaça daqueles rituais idolátricos e não a homossexualidade em si”. Se isso fosse de fato verdade Deus não chamaria o ato sexual entre o homem e outro homem de abominação e nem diria que, fazendo isso, eles estariam se contaminando: “Não vos contamineis com nenhuma dessas coisas, porque é assim que se contaminaram as nações que vou expulsar diante de vós” (Lv 18,24). Veja: é verdade que Deus buscava afastar a ameaça do povo de Israel, mas é verdade também que foram com essas práticas (cf. versículo 22 do mesmo capítulo) que os povos vizinhos a Israel se contaminaram. A homossexualidade é, portanto, uma abominação e uma contaminação, segundo o que afirma a bíblia.

Pergunta ainda Mott:

“Por que católicos e protestantes conservam somente a condenação da homossexualidade, enquanto abandonaram dezenas de outras proibições decretadas pelo mesmo Senhor?”

Enquanto algumas prescrições da Antiga Lei foram aperfeiçoadas por Jesus Cristo, outras, no entanto, permaneceram conservadas. Ora, e como comprovar isso? A carta de São Paulo aos Romanos é prova: “Os homens, deixando o uso natural da mulher, arderam em desejos uns para com os outros, cometendo homens com homens a torpeza” (Rm 1,27). Enquanto, por exemplo, a guarda do sábado, com Jesus Cristo, foi aperfeiçoado – para o domingo – a homossexualidade continuou sendo condenada severamente pelo mesmo Senhor.

IV. Davi e Jônatas: o amor homossexual

Essa afirmação tendenciosa de que o amor entre Davi e Jônatas era homossexual não é comprovada pela Bíblia. Pelo contrário: se Davi foi de fato observador assíduo dos mandamentos do Senhor (cf. Eclo 49,5), não poderia transgredir contra as ordens levíticas que puniam com pena de morte os praticantes do homossexualismo. Mas Mott chama a relação existente entre Jônatas e Davi de indiscutivelmente homossexual. Ora essa, baseado em que ele poderia me afirmar isso?

“Eis a declaração do santo rei salmista para seu bem-amado: ‘Tua amizade me era mais maravilhosa do que o amor das mulheres. Tu me eras deliciosamente querido! ’(2 Sm 1,26).”

A tradução que João Ferreira de Almeida faz desse versículo não usa a palavra “deliciosamente”: “Angustiado estou por ti, meu irmão Jônatas; quão amabilíssimo me eras! Mais maravilhoso me era o teu amor do que o amor das mulheres” (2 Sm 1,26). E a Bíblia católica não usa nem uma nem outra: “Jônatas, meu irmão, por tua causa meu coração me comprime! Tu me eras tão querido! Tua amizade me era mais preciosa que o amor das mulheres” (2 Sm 1,26). Nenhuma tradução usa essas palavras usadas por você. É asqueroso usar a palavra deliciosamente para favorecer seus interesses. Isso é vergonhoso e vagabundo. Quando Samuel fala da sua amizade (vide Bíblia Católica) com Jônatas, ele diz que é mais preciosa que o amor das mulheres, mas não substitui o amor das mulheres pela amizade de Jônatas. Esse aspecto é importantíssimo de se observar.

Não é são nem mesmo inteligente chamar Davi de gay baseado numa tradução que você próprio fez da Bíblia – para a sua própria ruína, sublinho -; também não é sábio falar da relação entre Rute e Noemi como se fosse homossexual… Enfim, não é são observar a Bíblia sobre o seu ponto de vista.

V. É bom dois homens dormirem juntos…

Mott agora cita a passagem do Eclesiastes (4,11) para defender dois homens dormindo juntos. Ora, qual o problema em dois homens dormirem juntos? Nenhum! Vai depender da finalidade. O Levítico não condena que dois homens durmam juntos. Ele condena que dois homens durmam juntos para terem relações sexuais: “Não te deitarás com um homem, como se fosse mulher” (18,22). Portanto, analisando o contexto bíblico, observamos que Eclesiastes não quer falar do ato homossexual, mas do simples ato de dormir. Além disso, em Eclesiastes 4, o autor sagrado está falando do quão ruim é ser sozinho. E isso não tem nada a ver com sexo ou relações sexuais. Diz ele, no versículo 10: “Ai do homem solitário: se ele cair não há ninguém para levantá-lo”. É nesse sentido que o Eclesiastes fala do “homem dormindo com outro homem”. Não se pode tirar um versículo isolado da Sagrada Escritura para defender algo que a Bíblia condena severamente.

VI. O pecado de Sodoma e Gomorra não era a sodomia

A outra deturpação bíblica que Mott busca fazer da Sagrada Escritura fundamenta-se acerca dos pecados de Sodoma e Gomorra. Afirma ele erroneamente que “não há evidência histórica ou arqueológica que confirme (…) que tais cidades teriam sido destruídas por uma catástrofe”. Mas o testemunho bíblico é claro: “O Senhor fez então cair sobre Sodoma e Gomorra uma chuva de enxofre e de fogo, vinda do Senhor, do céu. E destruiu essas cidades e toda a planície, assim como todos os habitantes das cidades e a vegetação do solo” (Gn 19,24-25). Portanto a evidência histórica existe sim. Ora o que é a Bíblia senão um livro histórico? Não relata ela a história do povo de Israel e, especificamente nesse caso, dos patriarcas que viveram antes da lei de Moisés?

Mas Luiz Mott garante que, em Gênesis 19,1-11, “quando os habitantes de Sodoma declararam desejar ‘conhecer’ os visitantes, maliciosamente se interpretou o verbo ‘conhecer’ como sinônimo de ‘ato sexual’”. Maliciosamente? Será que foi assim mesmo? Vejamos:

“E chamaram Lot: ‘Onde estão, disseram-lhe, os homens que entraram esta noite em tua casa? Conduze-os a nós para que os conheçamos.’ Saiu Lot a ter com eles no limiar da casa, fechou a porta atrás de si e disse-lhes: ‘Suplico-vos, meus Irmãos, não cometais este crime. Ouvi: tenho duas filhas que são ainda virgens, eu vo-las trarei, e fazei delas o que quiserdes. Mas não façais nada a estes homens, porque se acolheram à sombra do meu teto’.” (Gn 19,5-8)

Os homens da cidade querem “conhecer” os visitantes que estão na casa de Lot. Para entendermos o sentido da palavra ‘conhecer’, devemos pô-la num contexto. E o contexto da ocasião é claro em mostrar que os homens da cidade queriam “cometer um crime” contra os que estavam hospedados na casa de Lot. Ora, mas que crime seria esse? Ora, só pela palavra ‘conhecer’, já identificamos que é um ato sexual. Existem outros trechos na Bíblia que têm também este sentido. Por exemplo, Maria, quando soube que daria à luz Jesus, exclamou: “Como se fará isso, pois não conheço homem?” (Lc 1,34).

Ah, mas dirão os defensores da homo afetividade: não podemos afirmar que o sentido daquela palavra representa um homossexual. Ora, e como explicar então o fato de Lot oferecer suas duas filhas virgens a eles? Por que ele faria isso? Não deveria ser um ato muito grave para que Lot oferecesse suas próprias filhas aos rebeldes de Sodoma? Enfim, dizer que os pecados de Sodoma e Gomorra não foram a sodomia é, sobretudo, anti-bíblico.

VII. O verdadeiro pecado de Sodoma: injustiça e falta de amor

A Bíblia aponta como pecados de Sodoma “opulência, glutoneria, indolência, ociosidade” (Ez 16,49). Mas, como Mott mesmo reconhece, os livros do Novo Testamento – Judas e São Pedro – falam dos pecados de Sodoma de uma maneira mais direta: “Da mesma forma Sodoma, Gomorra e as cidades circunvizinhas, que praticaram as mesmas impurezas e se entregaram a vícios contra a natureza, jazem lá como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno” (Judas 1,7). Os vícios contra a natureza, dos quais fala Judas, são os mesmos que São Paulo falou na sua carta aos Romanos: “… mudaram as relações naturais em relações contra a natureza” (Rm 1,26). Enfim, é praticamente inegável que os pecados de Sodoma não eram somente relacionados a sentimentos mais abstratos como amor e justiça; esses estavam diretamente relacionados à impureza, ao vício e à própria corrupção e condenação ao inferno.

Falar que o verdadeiro pecado de Sodoma era a injustiça e a falta de amor não é errado. Mas é sim errado desvincular essas duas faltas da questão do homossexualismo. São Paulo mesmo proclamava que havia uma profunda ligação entre essa depravação sexual e os demais pecados, como idolatria, impiedade, perversidade, malícia, cobiça maldade e inveja (cf. Rm 1,29). Dizia isso porque, o termo do pecado, independente da sua natureza, “é a morte” (Rm 6,23). Se for, portanto, verdade que Sodoma pecou por injustiça e falta de amor é também verdade que pecou por impureza e vício. A última encíclica do Papa Bento XVI chama-se justamente Caritas in Veritate. Ora o que é isso? Ela é a ligação estreita que deve existir entre o amor e a verdade, entre a caridade e a moral. Sem a moral, a caridade se torna maliciosa e impura.

VIII. Má tradução das epístolas de São Paulo

Ou má interpretação das mesmas, uma vez que essa é clara ao condenar o homossexualismo. Mott alega que algumas passagens das cartas de São Paulo foram mal traduzidas. Seriam elas Rm 1,2 (que nem fala sobre o tema); 1 Cor 6,9 (que usa o termo “efeminados” para caracterizar alguns homens que não possuirão o Reino de Deus); Cl 3,5 e 1 Tm 1,10. Dizem elas que os efeminados não possuirão o Reino. E não possuirão mesmo! Ora, diz claramente São Judas que os pecadores de Sodoma e Gomorra, que pecavam contra a própria natureza, “jazem lá como exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno” (Judas 1,7). Então, essa é uma realidade, independente do erro ou não da tradução das epístolas paulinas.

Diz ele: “Há teólogos protestantes que chegam a diagnosticar Paulo de Tarso como homossexual latente”. Não é a toa que a Igreja definiu que “o ofício de interpretar autenticamente a Palavra de Deus escrita ou transmitida foi confiado unicamente ao Magistério vivo da Igreja, cuja autoridade se exerce em nome de Jesus Cristo” (DV 10). Para favorecer a verdade que convém ao que interpreta, vale tudo, até mesmo encontrar coisas onde elas não definitivamente não existem. Lamentável mesmo.

IX. Jesus nunca condenou os amantes do mesmo sexo

“Se o “homossexualismo” fosse uma coisa tão abominável, certamente o Filho de Deus teria incluído esse tema em sua mensagem, e Javé nos dez mandamentos”, diz Mott. Não havia necessidade. Ora, Jesus mesmo disse que “veio para levá-los [a lei e os Profetas] à perfeição” (Mt 5,17) e não para aboli-los. Sendo assim, cumpria a exortação levítica (cf. 18,22; 20,12) à risca. Além disso, será que Jesus Cristo não condenou mesmo o homossexualismo? Quem sabe disso? Não diz o evangelista João que “Jesus fez ainda muitas outras coisas” e que “se fossem escritas uma por uma, nem o mundo inteiro poderia conter os livros que deveriam escrever” (Jo 21,25)? Não sabemos se Jesus condenou ou não a homossexualidade, mas, se não condenou publicamente, não quer dizer que ele a aprovava. Se são os apóstolos os guardas fiéis das palavras de Cristo, sabemos que Ele condenou a iniquidade, a impureza e também as relações depravadas contra a natureza das quais fala São Paulo no capítulo 1 da carta aos romanos.

Agora Mott blasfema: “Há teólogos que chegam a sugerir que Jesus era homossexual, pois além de nunca ter condenado o homo erotismo, conviveu predominantemente com companheiros do seu próprio gênero, manifestou particular predileção pelo adolescente João, “o discípulo amado”, nunca se casou, além de revelar muita sensibilidade com as crianças e com os lírios do campo, comportamentos muito mais comuns entre homossexuais do que entre machões”. Dessa maravilhosa tese de Mott, observamos que ele não consegue ver um amor entre dois homens que não seja carnal. Se um homem ama a outro, então ele é transviado, homossexual? Não! Ora, não mandou Jesus Cristo que nos amássemos uns aos outros? Fazendo isso, por acaso, estamos transando com os outros? É duro perceber que não é possível, na cabeça de alguns, relacionar o amor com a pureza e a amizade. Lamentável.

Depois, relacionar a cura do servo do centurião e o rito de lava-pés com o homossexualismo só pode ser brincadeira… Triste, deplorável, condenável.

X. Os fundamentalistas deturpam as Sagradas Escrituras

Impressionante observar que não são somente eles que as deturpam. Os iníquos também o fazem. E com todo gosto, embora sua conduta não o permita, proclamam com voracidade: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32). Ora, e o que é a verdade? São por acaso as falácias de Mott? Creio que não… E digo mais: se estamos lendo a Bíblia para encontrar nela uma verdade conveniente então estamos lendo o livro errado porque não é possível conciliar a vontade de Deus aos desejos perversos desse mundo promiscuo e vagabundo.

* * *

Lembremo-nos de São Tiago: “Adúlteros, não sabeis que o amor do mundo é abominação por Deus? Todo aquele que quer ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tg 4,4). E não deixemos que façam com as Escrituras o que desejam. Se não daqui uns dias vão querer afirmar que Deus não existe, baseando-se na Bíblia.

RESPOSTAS ÀS OBJEÇÕES EM FAVOR DO HOMOSSEXUALISMO E LESBIANISMO

 Maria Edite Matos da Costa

É natural que esse senhor chamado Luiz Mot defenda  com todas as forças os gays ,lésbicas ,e todo o tipo de promiscuidade. No fundo quer provar a ele mesmo que é normal, mas se realmente isso é normal eu pergunto: se a mãe dele fosse lésbica e o pai homossexual como é que ele tinha nascido?... Não tinha, pois não?
Então nesse caso se for usada à inteligência e não o instinto depravado só podemos tirar uma conclusão. Ser homossexual ou lésbica é simplesmente um defeito com que se pode nascer assim como se pode nascer cego, ou mongoloide, mas não quer dizer que seja normal Temos que respeitar e ajudar aqueles que nascem com esse defeito para que não caiam na promiscuidade
Quanto á Juliana Paes, só me ocorre uma palavra: COITADA!
Está tão endeusada com a sua beleza física, (que é passageira )que se esqueceu da beleza espiritual (que é eterna) Já têm havido muitos casos em que pessoas muito belas ficaram deformadas num acidente. Ela deveria pensar nisso em vez de andar a ofender as leis de Deus
Todos sabemos que o diabo anda a queimar os últimos cartuchos para angariar o maior número possível de almas
Para isso influencia pessoas que de uma forma ou de outra têm poder de comunicar com os outros para consciente ou inconscientemente serem seus ajudantes e estes dois estão nitidamente ao serviço do diabo Cá em Portugal também temos um grande trabalhador do diabo .Chama-se José Saramago. Por esse mundo fora há muita gente… Por exemplo o Dan Brown
Deus tenha misericórdia da alma desses ignorantes
Edite Costa PORTUGAL

Karina 

Ela voltou, com seu amor sem conversão de sempre, que não é amor… O amor da Sandra é o mesmo do pai que “ama” tanto seu filho que é incapaz de proibi-lo de roubar.

De qualquer forma, sobre o trecho que o Everth citou sobre as mulheres mudarem suas relações naturais em relações contra a natureza (Rm 1,26-28), vale citar que isso não fala somente do lesbianismo, mas também da rejeição consciente à maternidade, à feminilidade, dada principalmente pelo:
* ABORTO,
* coito interrompido (vide a repreensão que Deus fez à Onã por conhecer sua esposa “derramando sua semente no chão”, pois não queria ter filhos com ela)
* e, atualmente, aos métodos anticoncepcionais não naturais (abortivos, muitas das vezes).

Everth Queiroz Oliveira

Pedro,

Primeiramente, eu deveria dizer que é muito precipitado você dizer que, quando Jesus veio à Terra, ele não condenou a homossexualidade. O fato de não haver nenhuma afirmação explícita vinda de Cristo condenando a prática homossexual na Bíblia Sagrada não significa que ele não condenou esta prática. Você está errado em suas conclusões.

Para desqualificar as condenações do Levítico, você utiliza um exemplo de Cristo levando a Lei Antiga à perfeição. É verdade que muitíssimas leis do A.T. foram – digamos – aperfeiçoadas por nosso Senhor Jesus Cristo. O exemplo melhor a ser dado seria a superação da lei de Talião pela lei do “amai até mesmo os vossos inimigos”. Tudo isto é uma grande verdade… Não é verdade, porém, que devamos aplicar essa lógica de “abolição” para TUDO que está no Antigo Testamento. Pelo contrário. Cristo afirma: “Não julgueis que vim abolir a Lei e os profetas. Não vim para os abolir, mas para levá-los à perfeição” (Mt 5, 17). E mais: Paulo, o apóstolo dos gentios, em carta escrita aos cristãos em Roma, deixou evidente o pecado que é a relação homossexual (cf. Rm 1). Conclusão: mesmo após a Nova Aliança, continua sendo pecado a sodomia.

Mas, você, contrariando estudos científicos, ousa afirmar que homossexualidade não é opção, mas condição. Pois bem, adorador do senso comum, essa teoria não tem nenhuma base científica contundente. Há estudos sendo feitos nessa questão, mas NENHUM conseguiu provar o que você defende você que vem aqui e chama de “cegos” aqueles que não acreditam nas suas lorotas pseudocientíficas.

Você vai ainda mais longe: “Jesus veio para dizer que Deus é amor, Deus não tem regras, Deus quer o nosso bem”. Como assim, Deus não tem regras? Por favor, meu filho… Uma mãe e um pai que querem o bem de seu filho impõem regras sadias para a promoção de uma boa convivência familiar. Isso não faz deles cruéis perseguidores e frios legisladores. É justamente por amor que Deus coloca regras, que Deus mostra aos seus filhos a Verdade de seus mandamentos.

Graça e paz.
Salve Maria Santíssima!

Everth Queiroz Oliveira

Pedro,

Como bom judeu, Cristo certamente condenou a homossexualidade porque Ele sempre esteve do lado do pecador, mas nunca do lado do pecado. Ele sempre insistiu na necessidade de conversão, nunca na ideia idiota de “santificar” o pecado, torná-lo uma prática aceitável. Cristo não deixou que apedrejassem a adúltera, mas, quando pôde, condenou o adultério.

Você não reconhece que o homossexualismo é pecado porque já afirmou para si mesmo que não vai aceitar que seja. Mostramos a você ensinamentos dos primeiros apóstolos, condenando a sodomia, mas você não aceita. Se mostrássemos uma afirmação objetiva e clara tirada do Evangelho e vinda de Jesus Cristo, condenando a mesma prática, você também não creria, pois já afirmou pra si mesmo que “o seu deus de amor” é um deus conivente com o pecado e com a impureza. Isto se chama obstinação.

A Bíblia afirma que Deus abomina a homossexualidade. Você está distorcendo as coisas. De novo: pecado e pecador são duas realidades bem diferentes. Só se igualam na medida em que o pecador se apega ao pecado de modo a querer ser lançado no fogo do inferno junto com o mal.

Mas, afinal, o que é o mal? Você não tem nem mesmo noção do que é o mal, como pode vir aqui querer dizer o que é “amor”? Como pode afirmar que uma ideia é idiota ou nonsense se não consegue identificar a verdade objetiva na natureza e nas próprias Escrituras? A definição de certo e errado não muda com o passar do tempo, ao contrário do que a sua mente imagina. E você dizer que Jesus defendia essa ideia estúpida é simplesmente inaceitável. Pelo amor de Deus, a sabedoria nunca poderá estar aliada ao relativismo moral! Nunca! Deus, que é a Verdade, é imutável; como você pode propor que o Todo-Poderoso e Suas Leis estejam submetidos à fragilidade do tempo?

Graça e paz.
Salve Maria Santíssima!

Everth Queiroz Oliveira

Gisele,

Ninguém aqui é consciente de ser melhor que o outro ou coisa parecida. Isso aqui não é julgamento de conduta. Isso aqui é discussão moral. O homossexualismo é pecado.  na Bíblia e a Igreja, que foi instituída por Jesus Cristo para nos ensinar fé e moral, condena a prática. Isso basta. Não estamos aqui apontando o dedo ao gay e dizendo: “Vais para o inferno!” Estamos simplesmente mostrando que Deus, que é a Verdade, estabeleceu uma lei natural no coração humano e essa lei, desobedecida, conduz o homem não só à tristeza, mas também à morte. Estamos chamando aqueles que pelo pecado se afastaram de Deus a se reaproximarem d’Ele, buscando fazer Sua vontade.

Quanto à Bíblia ter sido escrita por homens, isso não significa que Deus não pode inspirar os homens para que eles escrevam tudo de acordo com a Verdade.

Graça e paz.
Salve Maria Santíssima!

MOISÉS 

Everth gostaria de expressar minha alegria em observar um cristão defender de forma inteligente e demonstrando tanto conhecimento sobre nossa fé.
Everth, como pude aprender com os defensores da fé, sei que essas pessoas que deturpam a palavra ao seu modo tem como característica em comum, dentre outras a criação de uma barreira que impede de ver o obvio e como vc disse tenho olhos não vejam e tendo ouvidos nao ouçam porém a palavra de Deus e indestrutível e jamais passará rezo para que mais cristãos tomem suas armas de luz e entrem nessa batalha que parece que irá destruir tantas almas (com a força do senhor possamos resgatar irmãos para o lar da eterna felicidade)

Fonte: http://beinbetter.wordpress.com/documentos/tratado-contra-o-homossexualismo/

Leia-o também em: www.larcatolico.webnode.com.br/reflexões cristãs

**************************************************************************************************************************************************************

 

A Palavra do Sacerdote

Pergunta

A imprensa tem tratado com muita freqüência do problema da homossexualidade. O Sr. poderia dizer o que ensina a Igreja Católica a respeito, e o que Ela recomenda para a pessoa se afastar desse vício?

Resposta:

Com muito gosto me honrarei de dar aos caros leitores deCatolicismo alguma orientação sobre o problema dahomossexualidade e homossexualismo, assunto tão delicado, mas também tão atual quanto sinistro.

A respeito da homossexualidade, a doutrina católica distingue entre a tendência homossexual (homossexualidade) –– que pode ser devida a defeitos genéticos, de educação ou a fatores psicológicos e morais –– e a prática homossexual(homossexualismo).

Tendência homossexual

tendência homossexual é uma paixão, isto é, um apetite desordenado, que já denota um desvio da natureza, pois o instinto sexual normalmente só se manifesta em relação a pessoas de outro sexo, uma vez que foi dado ao homem e à mulher com vista à procriação.

A pessoa que sofre essa tentação –– contrária à natureza, é preciso realçar –– tem obrigação moral de combatê-la a ferro e fogo, e não consentir absolutamente em nada do que ela pede. Nem por pensamentos, nem por palavras, nem por atos. Se a pessoa assim agir, estará isenta de culpa. É tentação vencida, é vitória alcançada. É aumento em graça e virtude!

A paixão pode solicitar até veementemente para um ato mau, mas se a pessoa tentada não consente, lutando para afastar o mau pensamento e fugindo das ocasiões de queda, não só não comete pecado, mas ganha méritos perante Deus, pela batalha vitoriosa que desenvolve contra as más inclinações que tem dentro de si, triste herança do pecado original.

Como combater essa má tendência

Um dos segredos da vitória nessa matéria está na estratégia do combate aos maus pensamentos.

A batalha contra os maus pensamentos deve começar muito antes que eles despontem na imaginação ou na memória, isto é, muito antes que nasçam na cabeça. A resistência deve começar pelo combate à raiz desses maus pensamentos.

Qual é essa raiz?

Geralmente as pessoas com tendência homossexual são tendentes a uma visão acentuadamente egoísta da vida, de cunho sentimental e romântico. No fundo, gostam de admirar-se, "adorar-se", de se acharem maravilhosas e sublimes, e de se considerarem incompreendidas pelos outros. É com base nessa mentira que, de início até imperceptivelmente, põem-se a procurar uma "alma irmã" que as compreenda. E uma "alma irmã" do mesmo sexo...

Se uma pessoa assim não combate essa auto-contemplação e esse sonho a respeito de sua suposta sublimidade, ela põe o pé na rampa, derrapando depois para todas as desordens monstruosas da vida homossexual. A esse respeito, leia na Sagrada Escritura o que diz São Paulo na Epístola aos Romanos, cap. 1, vers. 21 a 32. É impressionante.

Outro segredo é a fuga das ocasiões próximas de pecado.

Segundo a doutrina católica, há obrigação moral sub-gravi de evitá-las.

Uma ocasião de pecado é próxima quando se percebe que pode levar logo ao pecado. Por exemplo, manter amizade e freqüentar rodas de pessoas do mesmo sexo em relação às quais o indivíduo, por um apelo de seus instintos desviados, sente atração homossexual.

Assim, falar de "amizade" entre homossexuais sem temer que acabe, mais cedo ou mais tarde, desfechando no ato abominável, é o mesmo que achar possível brincar de riscar fósforos a dois milímetros da boca aberta de um tonel de gasolina e não prever a explosão. Não é lícito.

Prática homossexual

Por outro lado, a prática homossexual -- ou seja, manter relações sexuais com pessoas do mesmo sexo -- constitui um pecado abominável aos olhos de Deus, daqueles que a Igreja classifica como "pecados que clamam a Deus por vingança".

De fato, na Sagrada Escritura são várias as condenações explícitas a esse pecado, mostrando eloqüentemente a sua ignomínia. Basta citar o proverbial exemplo das cidades de Sodoma e Gomorra, que foram destruídas num apocalíptico dilúvio de fogo vindo do céu, como castigo por esse pecado (Cfr. Gen., cap. 18 e 19). Também no Levítico a condenação ao homossexualismo é clara e radical: "Aquele que pecar com um homem como se fosse mulher, ambos cometem coisa execranda e sejam punidos de morte; o seu sangue caia sobre eles" (20, 13). Existem ainda condenações ao abjeto ato sodomítico em outros livros da Bíblia, que seria supérfluo acrescentar.

Requinte desenfreado de luxúria

Nem sempre a prática homossexual (homossexualismo) deriva de uma tendência (homossexualidade) observada desde a juventude ou mesmo desde a infância. Muitas pessoas se tornam homossexuais por um requinte desenfreado de luxúria. Querem ter novas "experiências" nessa matéria, embora antes fossem perfeitamente normais, ou seja, heterossexuais de tendência e de prática. Isto constitui um pecado ainda mais grave, pois não se trata apenas de uma concessão à tendência desregrada e antinatural que porventura a pessoa já tivesse, mas sim da procura deliberada de um pecado contra a natureza, em busca de novas sensações torpes e vergonhosas, severamente proibidas por Deus.

"Vítima" do homossexualismo

Outras vezes uma pessoa de tendência originária normal, heterossexual, pode ser "forçada" -- note bem: forçada -- a adotar práticas homossexuais devido a uma permanência prolongada em certos ambientes de baixo nível moral, como penitenciárias, navios em viagens de longo curso, etc. Neste caso o pecado, embora gravíssimo e abominável, pode não ter o mesmo grau de abominação do caso anterior, principalmente se a pessoa for vítima de violência para consentir no ato torpe. Mas deve heroicamente opor toda a resistência possível, sacrificando até a própria vida, a exemplo de uma Santa Inês, de Santa Maria Goretti e de tantos outros heróis da Fé e da Pureza.

As pessoas que adotam práticas homossexuais nestas duas circunstâncias, geralmente ficam sendo taradas bissexuais, ou seja, com tendência e práticas sexuais com pessoas do mesmo sexo e do outro. Neste caso, suas práticas homossexuais constituem pecado gravíssimo contra a natureza, que clamam a Deus por vingança devido ao extremo grau de malícia que lhes é próprio, enquanto as relações heterossexuais, se realizadas fora do casamento, constituem pecado de fornicação ou, mais grave ainda, de adultério.

A importância da oração e dos Sacramentos

Para evitar isso, é preciso pedir a graça de Deus e a especial proteção de Nossa Senhora. O que se consegue rezando e freqüentando assiduamente os Sacramentos. Porque, sem o auxílio sobrenatural da graça, nenhum homem é capaz de cumprir estavelmente os Dez Mandamentos, sobretudo o 6º e o 9º, ainda mais no mundo permissivista em que vivemos.

www.catolicismo.com.br/materia/materia.cfm?IDmat=C3561BDC-3048-560B-1C279260772E5E91&mes=Maio2013

 

Contacto

Larcatolico (86) 99964-9541 aquinocatequista@hotmail.com